Alice no País das Maravilhas - Destaque Blog Amor por Livros

Porque você deveria ler Alice no País das Maravilhas

Alice no País das Maravilhas é um daqueles contos infantis que todo mundo conhece, mas poucos de fato leram. Com tantas adaptações que já fizeram para os cinemas, parece impossível que o livro ainda possa te impressionar. Mas, como leitora e super curiosa que sou, eu li tanto a versão traduzida como a original que eu baixei de graça no kindle, e posso dar 7 motivos para você adicionar essa magnífica literatura infantil à sua meta de leitura do ano.

O primeiro conto de Alice foi publicado em 4 de julho de 1865 (e faz 152 anos hoje!) por Charles Lutwidge Dodgson sob o pseudônimo de Lewis Carroll. Ele criou a história para entreter as 3 filhas de Robinson Duckworth em uma viagem de barco, apenas no improviso, como sempre gostou de fazer. Dodgson escolheu o nome Alice como personagem principal pois assim se chamava uma das filhas que ele tinha mais afeição.


Capa do Livro Alice no País das Maravilhas


Título
: Alice no País das Maravilhas
Autor: Lewis Carroll
Páginas: 140
Editora: Martin Claret
Lançamento: 2005
Sinopse: Ao seguir um coelho apressado, Alice cai num buraco que, mais tarde, ela descobrirá ser uma passagem para o País das Maravilhas. Tudo fica esquisito desde então: Alice conhece um gato muito diferente, uma lagarta sábia, um chapeleiro maluco, entre outros personagens que a introduzem em uma realidade complexa e enigmática.
De Lewis Carrol, Alice no País das Maravilhas é um livro repleto de fantasias oníricas e lúdicas, que provocam o leitor e ocultam questionamentos de todo tipo: lógicos, semânticos, políticos, psicológicos.


Mas, tá. Por que você deveria ler esse livro mesmo?

1. Existem outros personagens que não costumam aparecer nos filmes

Todos os personagens de Alice são bizarros, mas não são tanto quanto: a Duquesa que sempre tem uma resposta pronta, o Bebê que se transforma em porco, a Cozinheira que faz uma sopa hiper apimentada, o Grifo que é bastante cético e a Tartaruga Falsa que só pensa em sentir pena de si mesma.

Na verdade, posso dizer que todos os encontros da personagem principal são realmente malucos e sem nexo. E isso só fica super claro no livro. Sim, fique curioso!!

Personagens Bizarros de Alice no País das Maravilhas

2. A personalidade da Alice e seus pensamentos malucos e irônicos são maravilhosos

Do início ao fim, a personagem interliga fatos, números e poemas de uma forma muito engraçada, principalmente em seus pensamentos e na narrativa (algo que a adaptação cinematográfica não consegue mostrar, né). Diferente da Alice do filme de animação da Disney, a personagem do livro não é totalmente educada, faz muitas perguntas e não gosta de ser contrariada.

“- Se cada um tratasse de sua própria vida – resmungou a Duquesa -, o mundo giraria bem mais depressa.
– O que não seria nenhuma vantagem – disse a menina, muito satisfeita pela oportunidade de mostrar um pouco de sua sabedoria.”

3. Alice no País das Maravilhas é super curtinho e fácil de ler

Tirando a versão original que possui muitas correlações com os costumes e poemas da época, o livro é super rápido de ler. Garanto que em apenas um dia você poderá tirar as suas próprias conclusões sobre o que se passava na cabeça de Lewis Carroll quando ele escreveu essa história nonsense…

4. As ilustrações originais são meio engraçadas…

No começo do livro, tudo é bonitinho e a Alice parece uma bonequinha… Até que você se depara com essa linda cena. SIM. Depois de comer o primeiro bolo, ela espicha primeiro pelo pescoço :’) Fora a versão dela super mal-humorada, que eu nem tenho palavras para descrever, sentada na cadeira do chá das seis. A cena é da fala do chapeleiro Maluco: “- Seu cabelo está precisando de um corte”, e isso logo após o comentário da Lebre de Março “- E não foi nada educada de sua parte sentar-se sem ter sido convidada”. Tudo bem, Alice, a gente te entende.

Ilustrações originais de Alice no País das Maravilhas

5. O que aliás, me lembra que você pode tentar desvendar o enigma do Chapeleiro Maluco…

– Qual é a semelhança entre um corvo e uma escrivaninha?
Nunca saberemos…

6. Você pode criar sua própria teoria da conspiração

Uma época atrás houve muito bafafá sobre Lewis Carroll ser pedófilo, pois gostava de tirar fotos de meninas seminuas ou até nuas (com a autorização dos pais!). Ele também tinha um relacionamento muito próximo com Alice até a publicação oficial do primeiro livro… O que pode deixar os mais maliciosos com a pulga atrás da orelha. Como nada disso se confirmou, o máximo que podemos fazer é conspirar mesmo. ¯ \ _ (ツ) _ / ¯

Porém, enquanto eu li o livro, a maior sensação que tive era que muito das associações e falas de Alice eram sobre a fase que não sabemos se somos adultos ou crianças, quando nossos pais costumam muito dizer ‘você é muito grandinho pra isso’ e ‘você ainda é muito novo pra aquilo’.

“- De que tamanho você quer ser? – perguntou (a Lagarta).
– Não tenho nenhuma preferência – respondeu Alice, prontamente. – Só não queria ficar mudando de tamanho toda hora, sabe…”

7. Por fim, você pode comparar o que você realmente sabia da história original

Ou também comparar com os filmes e jogos que foram lançados. Ou até mesmo ser uma inspiração para o seu próximo texto. Já pensou?

Pra quem costuma jogar vídeo-game, existe um título que se chama Alice: Madness Returns que é bastante… estranho e até um pouco assustador principalmente para quem tem medo de bonecas e sangue. Ele interliga o mundo de Alice do livro com outra Alice, pós-manicômio. Eu indico pra quem gosta de coisas beeem malucas 😄

Jogo Alice: Madness Returns

 

Se você ficou morrendo de vontade de ler Alice no País das Maravilhas como eu fiquei, você pode comprar a versão brasileira na Amazon por R$18,12.
A versão original pode ser adquerida no Kindle de graça nesse link.

Aumentar o repertório de leitura nunca é de mais! Se você já leu, qual é o seu trecho favorito? E se não leu, o que mais te chamou a atenção?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *