No post sobre o primeiro livro, O lar da Srta. Peregrine para crianças peculiares, eu falei sobre como o livro acabou não me prendendo muito apesar de ter gostado da leitura.

Bom, te garanto que no livro 2, Cidade dos Etéreos, a minha opinião mudou completamente. A leitura foi tão boa que fiquei feliz de não ter desistido da saga.

Realmente fiquei surpresa com a densidade e a maturidade que essa história incorporou neste volume, principalmente agora que as crianças começam a mostrar do que são capazes.

Sem mais Srta. Peregrine

Foto das páginas do livro Cidade dos Etéreos

O primeiro livro termina em uma cena tensa: as crianças peculiares perderam sua casa, a Srta. Peregrine é sequestrada e resgatada e agora elas precisam fugir da ilha para encontrar outro lugar seguro, já que fora de uma fenda todos os peculiares são um alvo fácil para os acólitos.

O Cidade dos Etéreos começa com a descoberta que, além de tudo isso, a única pessoa que pode ajudar as crianças a encontrar um novo lar, a Srta. Peregrine, está presa à sua forma de ave. 

Já não parecia fácil, mas se aventurar pelo mundo aberto e sem nenhum mapa vai ser mais aterrorizante do que elas podiam imaginar. Até as fendas, que eram o seu refúgio, agora os etéreos de alguma forma misteriosa também podem acessá-las.

E quão grandes são os mistérios e perigos que os aguardam aonde quer que forem.

O universo peculiar

Fotos do livro Cidade dos Etéreos
Algumas das fotos de Cidade dos Etéreos

O que mais gostei desse volume, que meio que já foi uma deixa do volume 1, é que ele é muito mais focado no universo peculiar.

Conhecemos mais a extensão dos poderes de cada criança e sobre como esse mundo funciona. São detalhes que deixaram a leitura positivamente mais macabra e mais intensa.

Apesar de a história possuir diversos personagens, também temos algumas personalidades mais desenvolvidas em Cidade dos Etéreos. 

Particularmente gostei bastante do destaque da Bronwyn, agora que ela é a “mais responsável” do grupo. Sem contar o desenvolvimento do próprio Jacob, com sua insegurança,  sua total falta de pertencimento e agora uma nova relação amorosa com Ammie. 

“Você me dá forças que eu não sabia que tinha – respondi. – Você me torna uma pessoa melhor”

A trama também deu uma boa evoluída. Tem uma velocidade maior, com impactos mais relevantes para o enredo.

Foto do livro Cidade dos Etéreos
Foto do livro de cada dura, junto com fotos antigas da família

A escrita continua super fluída, claro. O livro é super facinho de ler e logo que você chega no grande finale, você vai querer pular direto para a continuação.

Aliás, que final, meus amigos! Foi tombo atrás de tombo para ter aquela revelação nas últimas páginas hahahaha. Fiquei bastante curiosa para onde Jacob vai nos levar no 3º volume.

Enfim, gostei bastante da leitura. Recomendo se você ficou na dúvida após ler O Lar para crianças peculiares da Srta. Peregrine!

1 comentário

  1. Eu amo essa saga então sou suspeita para falar, mas acho sensacional ele usar as fotos antigas e desenvolver a história do livro em cima delas. Sem dúvidas ele criou um universo que nos deixa com muita vontade de conhecer os peculiares.
    Eu já li até o terceiro e posso falar que só melhora!
    Ansiosa pela sua opinião sobre o próximo!!

Deixe um comentário