Um dos livros que mais me impressionou em 2017 foi A Canção do Sangue de Anthony Ryan. Não pela magia, guerra ou armaduras medievais, mas pela construção do personagem e da história por trás dele.

Apesar de ser um livro pouco conhecido, a trama é muito bem narrada. Os detalhes místicos te prendem na história e a trajetória do herói é simplesmente imprevisível e emocionante.

Vem entender porque esse livro ficou marcado entre os meus favoritos.

A trilogia A Sombra do Corvo

A trilogia A Sombra do Corvo, dividida nos títulos A Canção do Sangue, O Senhor da Torre e A Rainha do Fogo, já está completa e disponível em português.

Existe uma continuação da história de Vaelin, uma duologia, mas ela ainda não foi traduzida. A gente comenta sobre isso e sobre a nova série no post sobre A Sombra do Corvo.

Detalhes do Livro


Título
: A Canção do Sangue
Série: A Sombra do Corvo #01
Autor: Anthony Ryan
Páginas: 656
Editora: LeYa
Lançamento: out/2014

Sinopse: Quando Vaelin Al Sorna, um garoto de apenas 10 anos de idade, é deixado por seu pai na Casa da Sexta Ordem, ele é informado que sua única família agora é a Ordem. Durante vários anos ele é treinado de forma brutal e austera, além de ser condicionado a uma vida perigosa e celibatária. Mesmo assim, Vaelin resiste e torna-se líder entre seus Irmãos.

Ao longo de sua jornada, Vaelin também descobrirá de quem foi o verdadeiro desejo para que ele fosse entregue à Ordem – o objetivo sempre foi protegê-lo, mas ele não tem ideia do quê. Aos poucos, indícios de uma esquecida Sétima Ordem e questões acerca das ações do Rei Janus fazem Vaelin Al Sorna questionar sua lealdade. Destinado a um futuro grandioso, ele ainda tem que compreender em quem confiar. Neste primeiro volume da trilogia A Sombra do Corvo, Anthony Ryan estreia de maneira promissora com uma aventura repleta de ação.

O início da história

A Canção do Sangue começa com a narrativa de Lorde Verniers, historiador do império e responsável pelos relatados da última guerra com o louco Rei Junos.

Ele viaja de navio como testemunha oficial do duelo do prisioneiro O Matador do Esperança, condenado após a guerra.

Em seu caminho, ele se sente curioso, apesar de toda a raiva que sente por ele, sobre a verdadeira história do Matador do Esperança, também conhecido como Vaelin al Sorna, a espada do rei.

Vaelin assim inicia seu relato desde sua infância, quando foi deixado, contra a sua vontade, aos cuidados da sexta ordem pelo próprio pai.

– Sim. A lealdade é nossa força. Lembre-se disso. Lembre-se de que é meu filho e que quero que fique aqui. Neste lugar você aprenderá muitas coisas, se tornará um irmão da Sexta Ordem. Mas será sempre meu filho, e honrará meus desejos.

Resenha de A Canção do Sangue

Ilustração de A Canção do Sangue
Ilustração de A Canção do Sangue por Navar

Como qualquer livro épico e mágico, o começo de A Canção do Sangue é um pouco difícil. A narrativa inicial de Lorde Verniers é maçante e a história demora um pouco para pegar um bom ritmo de leitura.

O que com certeza ajuda (e é um diferencial), é que o autor nos apresenta o universo e os acontecimentos ‘místicos’ aos poucos. De forma bastante positiva, depois de termos sido apresentados aos personagens principais, os acontecimentos são mais rápidos em A Canção do Sangue e a leitura fica fácil.

Vaelin, o protagonista, também é um personagem cativante. Conhecemos ele desde menino, com todas as suas incertezas e medos. Vemos seu crescimento e sua bravura. Ele não se torna um homem perfeito, mas é muito correto e fiel aos seus amigos – tudo que se espera de um grande líder.

Um dos pontos negativos de A Canção do Sangue é a narrativa em dois tempos, passado e presente. Ela é usada muito no começo e depois é praticamente esquecida.

O vai e vem temporal retorna com muita força quase na conclusão da guerra, onde o autor mistura os fatos do próprio passado para criar mais suspense. Isso acabou me deixando confusa ao iniciar alguns capítulos.

Preço e avaliações

Finalmente, sobre o preço: A Canção do Sangue é um pouco salgado. Mas não se assuste! É porque o livro realmente tem muitas páginas.

E veja bem, você ainda pode tê-lo de graça pelo programa mensal Kindle Unlimited 🙂

No Skoob (rede social de livros), existem poucos cadastros de leitura, mas a nota dada é altíssima, com 4,6 de 5!

Eu com certeza indico para quem gosta do estilo. Realmente é difícil entender porque esse magnífico livro não tem o destaque que merece!

E aí, vai dar uma chance para A Canção do Sangue?

Se você já leu, confira a continuação na resenha de O Senhor da Torre.

10 comentários

  1. Também gosto muito de livros de fantasia! Foi a maior parte do motivo de eu ter começado A Canção de Sangue. Realmente, o Vaelin tem uma vibe muito Jon Snow, e eu me diverti muito com essa comparação. Infelizmente, não gostei do final (o terceiro livro, mais precisamente), pois não concordei com o desfecho de alguns personagens, acho que o fim se entregou demais à clichês, mas foi uma leitura ótima. 8/10

Deixe um comentário